História da Expansão Portuguesa [9614]
This information in English
João Marinho dos Santos Instituto: IHEU
José Manuel Azevedo e Silva Instituto: IHEU

Resumo

O programa da Cadeira de História da Expansão Portuguesa tem como objectivos principais fornecer os quadros em que emergiu e se desenvolveu uma das principais componentes estruturais da nossa identidade como Nação e das identidades de outras Nações ora independentes, sem esquecer o contributo que as Descobertas e a Expansão (sob as formas das Conquistas, da Colonização e até da Emigração) deram para a comunicação dos «mundos» e dos povos, ajudando a forjar, portanto, os conceitos de «mundialização» e de «humanidade». Os métodos científicos a utilizar passarão, naturalmente, tanto pelo analítico e sintético, como pelo comparativo e sistémico/global.

Resultados

Captação de uma visão e da vivência de cidadania às várias escalas (local, regional, nacional, europeia e mundial); noção do pioneirismo e do protagonismo dos Portugueses nas Descobertas; apreensão dos fenómenos de aculturação e de comunicação com os seus efeitos perversos e benéficos. Aulas práticas: Captação da visão global do Mundo antes da Expansão Europeia; noção do pioneirismo e do protagonismo português no processo das descobertas geográficas; compreensão da presença e da acção dos portuguesas nos diferentes espaços objecto da sua expansão-colonização.

Bibliografia de referência

  • BOXER, Charles Ralph, Relações no Império Colonial Português 1415-1825, Porto, Afrontamento, 1977.
  • BRAUDEL, Fernando, Civilisation Matérielle, Economie et Capitalisme, XVe Siécle, 3 vols, Paris, Armando Colin, 1979.
  • CHAUNU, Pierre, L’Expansion Européenne du XIIIe au XVe siècles, Paris, P.U.F., 1969.
  • CORTESÃO, Jaime, O Humanismo Universalista dos Portugueses, Lisboa, Portugália Editora, s.d.
  • GODINHO, Vitorino Magalhães, Os Descobrimentos e a Economia Mundial, Lisboa, Editorial Presença, 1981-83.
  • - Mito e Mercadoria, Utopia e Prática de Navegar, Lisboa, Difel, 1990.
  • PERES, Damião, História dos Descobrimentos Portugueses, 3ª ed., Porto Vertente, 1983.
  • SANTOS, João Marinho dos, Os Açores nos séculos XV e XVI, Secretaria Regional da Educação e Cultura dos Açores, 1990.
  • - A Guerra e as Guerras na Expansão Portuguesa Séc. XV–XVI, Grupo de Trabalho do Ministério do Grupo de Trabalho 1998.
  • SILVA, José Manuel Azevedo, A Madeira e a Construção do Mundo Atlântico (séculos XV-XVIII) Funchal, Secretaria Regional de Turismo e Cultura, 1995.

Competências Específicas

  • Informação abrangente sobre o passado humano em geral, sobre História Europeia e a História de Portugal em particular [1]

Competências Genéricas (da cadeira de 2002/2003)

  • Capacidade de análise e síntese [1]
  • Capacidade de lidar com fontes de informação contraditórias [2]
  • Capacidade de expressão oral e escrita [3]
  • Domínio de acesso às técnicas de informação e tratamento da informação [4]
  • Capacidade de iniciativa [6]
  • Trabalho em grupo [7]

Avaliação

Duas frequências escritas ou exame final, com possibilidade de realização de prova oral e trabalhos escritos. Valorização da participação nas aulas.

Programa

1. A génese da Expansão Portuguesa ou a forma do Poder Central resolver os problemas:

1.2. Dos efeitos perversos da “Longa Depressão” sobre a população em geral e sobre as élites nobiliárquica (guerreira) e burguesa (mercantil) em particular.

1.3. Do perigo da falta de coesão nacional e da perda da independência sob a ameaça de Castela.

1.4. Do possível isolamento de Portugal (e da dinastia de Avis) em relação à Respublica Christiana” como resultado da prolongada “guerra entre cristãos”.

2. Os meios necessários à satisfação dos objectivos da Expansão Ultramarina:

2.1. A elaboração de uma ideologia ajustada às mentalidades e compensadora da falta de gente (guerreira)

2.2. O imposto (financeiro) e o perdão (judicial) como instrumentos ao serviço da Expansão.

2.3. A evolução dos meios náuticos e a realização das viagens de descobrimento.

2.4. A necessidade da constituição de um conjunto de dados (serviço informativo) fornecidos pelas diversas categorias de viajantes.

2.5. O recurso a um tipo de linguagem, se possível, “civilizado”:

3. Da necessidade de defender o Reino à possibilidade de constituir um império:

3.1. A evolução da(s) política(s) e da(s) ideologia(s) ao longo dos séculos XV e XVI.

3.2. A integração de Portugal na “Respublica Chistiana” e a relações deste bloco com os blocos muçulmano e turco otomano.

3.3. As guerras e a guerra na Expansão Portuguesa

3.4. Os portugueses em viagem no Mediterrâneo e no Índico.

3.5. A colonização portuguesa nos espaços em que mais persistiu.

4. O Império em funcionamento

4.1. A “Rota do Cabo” e o seu destaque na rede de rotas à escala mundial.

4.2. A “vida a bordo” e os portugueses em viagem por terra.

4.3. A Colonização e a Emigração ou a adaptação dos portugueses aos diferentes espaços e modos de vida.

4.4. “Nós “ e os “outros” em aculturação.

4.5. A Expansão como entrave ao desenvolvimento do Reino ou uma leitura diacrónica dos “alvitres” de alguns influentes coevos (autores modernos).


[http://www.uc.pt/historia] [Plano do curso] [Lista alfabética de cadeiras] [Institutos] [Professores]