Os satélites menores de Júpiter

A grande melhoria dos instrumentos de observação no fim do séc. XIX conduziu a uma explosão do número de descobertas de novos corpos celestes. Entre estes incluíram-se vários novos satélites de Júpiter.

As descobertas começaram em 1892 quando Barnard descobriu Amalteia, o primeiro satélite de órbita mais baixa que os satélites galileanos. Em 1904 e 1905 Perrine descobriu Himália e Elara, respectivamente, em 1908 Melotte descobriu Pasífae e, em 1914, Nicholson descobriu Sínope – todos estes satélites exteriores, de órbita mais alta que Calisto. O mesmo Nicholson continuou ao longo de toda a vida a trabalhar sobre os satélites jovianos, tendo descoberto ainda Lisiteia e Carme em 1938, e Ananke em 1951.

Só em 1979 foram descobertos mais satélites interiores: Métis, Adrasteia e Tebe. Estes foram também os últimos satélites Jovianos a receber nomes proveniente da mitologia greco-latina, sempre dos mitos associados a Zeus (Júpiter).

Naturalmente, estas luas foram sendo descobertas por ordem decrescente dos seus tamanhos. Enquanto os raios dos satélites galileanos são da ordem do milhar de quilómetros, todos os novos satélites têm raios de poucas dezenas ou poucos quilómetros.

Em 1979 tornou-se claro que os novos satélites jovianos estavam distribuídos em três grupos orbitais: um, o dos satélites interiores, que inclui Métis, Adrasteia, Amalteia e Tebe; outro, que inclui Leda, Himália, Lisiteia e Elara, a cerca de 11 milhões de km de Júpiter; um terceiro, que inclui Ananke, Carme, Pasífae e Sínope, a cerca de 23 milhões de km. Ainda não são claras as razões desta distribuição.

Em 2000 o grupo Spacewatch, ao analisar imagens de 1999 descobriu um novo satélite (S/1999 J1). Usando o telescópio VLT, só entre 2000 e 2002 o grupo liderado por Sheppard descobriu mais dezanove pequenos satélites de Júpiter, com dimensões entre 1 e 4 km. Com excepção do satélite S/2000 J1, a 7435 milhões de km de Júpiter, todos os outros caem num dos três grupos previamente definidos.

Pensa-se que todos estes satélites menores sejam asteróides capturados pelo campo gravitacional de Júpiter, embora o mecanismo dessa captura não esteja ainda bem esclarecido.

Figura 1 – As luas jovianas interiores: Métis, Adrasteia, Amalteia e Tebe. Fotomontagem a partir de imagens Galileo.

Tabela 1 – Dados preliminares dos satélites menores de Júpiter.

 

#

Nome

Distancia [km]

Período

[dias]

Inclinação[graus]

Excentri-cidade

Raio [km]

Descobridores

Data

luas interiores

01

Métis

127 969

0.294779

000

0.00

20.0

Synott

1979

02

Adrasteia

128 971

0.298260

000

0.00

12.5x10x7.5

Jewitt-Danielson

1979

03

Amalteia

181 300

0.498179

0.40

0.03

135x84x75

Barnard

1892

04

Tebe

221 895

0.674536

1.0659

0.02

55x45

Synott

1979

luas exteriores

05

S/2000 J1

7 435 000

130

046

0.20

4.0

Sheppard et al

2000

06

Leda

11 094 000

239

027

0.15

8.0

Kowal

1974

07

Himália

11 480 000

251

028

0.16

93.0

Perrine

1904

08

Lisiteia

11 720 000

259

029

0.11

18.0

Nicholson

1938

09

Elara

11 737 000

260

028

0.21

38.0

Perrine

1905

10

S/2000 J11

12 654 000

290

029

0.22

2.0

Sheppard et al

2000

11

S/2001 J10

19 017 000

534

147

0.16

1.0

Sheppard et al

2002

12

S/2000 J10

20 375 000

591

166

0.16

1.9

Sheppard et al

2000

13

S/2000 J3

20 733 000

605

150

0.27

2.6

Sheppard et al

2000

14

S/2001 J8

20 804 000

609

165

0.48

1.0

Sheppard et al

2002

15

S/2001 J9

20 876 000

617

142

0.27

1.0

Sheppard et al

2002

16

S/2001 J2

20 876 000

615

149

0.30

2.0

Sheppard et al

2002

17

S/2001 J7

20 947 000

622

146

0.18

1.5

Sheppard et al

2002

18

S/2000 J5

21 019 000

618

149

0.20

2.2

Sheppard et al

2000

19

S/2000 J7

21 162 000

626

146

0.15

3.4

Sheppard et al

2000

20

Ananke

21 200 000

631

147

0.17

15.0

Nicholson

1951

21

S/2001 J3

21 376 000

630

150

0.25

2.0

Sheppard et al

2002

22

S/2000 J9

21 734 000

652

164

0.25

2.5

Sheppard et al

2000

23

S/2000 J4

21 948 000

661

161

0.35

1.6

Sheppard et al

2000

24

Carme

22 600 000

692

163

0.21

20.0

Nicholson

1938

25

S/2000 J6

22 806 000

704

165

0.28

1.9

Sheppard et al

2000

26

S/2001 J6

22 949 000

715

165

0.29

1.0

Sheppard et al

2002

27

S/2001 J4

23 378 000

713

150

0.35

1.5

Sheppard et al

2002

28

S/2001 J11

23 449 000

736

166

0.29

1.5

Sheppard et al

2002

29

Pasífae

23 500 000

735

147

0.38

25.0

Melotte

1908

30

S/2000 J8

23 521 000

733

152

0.53

2.7

Sheppard et al

2000

31

S/2001 J5

23 592 000

732

155

0.45

1.0

Sheppard et al

2002

32

Sínope

23 700 000

758

153

0.28

18.0

Nicholson

1914

33

S/2001 J1

23 878 000

753

152

0.42

2.0

Sheppard et al

2002

34

S/2000 J2

24 164 000

766

166

0.32

2.6

Sheppard et al

2000

35

S/1999 J1

24 296 000

774

143

0.13

2.4

Spacewatch

1999